terça-feira, 29 de junho de 2010

Remédios: Um vício ???

Bonbons multicolors.

Sabia que o Brasil ocupa o 5º lugar mundial no consumo de remédios ? é muito né? essa dependência tem origem na propaganda da indústria farmacêutica, na irresponsabilidade de alguns médicos e na ignorância de usuários.

Afinal, precisamos mesmo de tantos remédios? a maioria dos especialistas diz que não, mas o uso abusivo cresce assustadoramente.
Alguns dados alarmantes no Brasil:
  • 1 drogaria para cada 3 mil habitantes ( a recomendação é a metade desse número);
  • há mais pontos-de-venda de remédios do que padarias (podem ser comprados por telefone, internet…);
  • há dezenas de milhares de casos de intoxicação por medicamentos por ano (só os registrados);
  • laboratório farmacêutico é um dos negócios mais lucrativos do planeta (bilhões de dólares por ano);
  • 66% das vendas dos laboratórios vem dos EUA e da Europa;
  • são mais de 30 mil rótulos no Brasil (a OMS lista apenas 300 como essenciais);
  • os campeões são: analgésicos, antiinflamatórios, ansiolíticos;
  • as mulheres lideram o consumo com 75% somente de tranquilizantes;
  • mais de 30% das intoxicações são causadas por remédios;
  • o custo de pesquisa de um novo remédio pode custar até 500 milhões (mas o lucro supera muito esse investimento);
  • é irônico, mas oportunidades de lucro de um novo remédio surgem dos efeitos colaterais de outros remédios;
  • apenas 1/3 dos remédios vendidos vem de receitas médicas (todos já ouvimos falar das metas e prêmios aos vendedores de remédios);
  • sobre a ética médica e os laboratórios, o CRM garante que pega pesado contra essa prática;
  • 5% dos pacientes atendidos em clínicas são HIPOCONDRÍACOS ( a maioria sofre de depressão);
TODO REMÉDIO TEM EFEITO COLATERAL”, então o melhor é evitar essa dependência, que realmente ainda existe muito.

O que não se encontra nas bulas é que: “a ausência de remédios na vida de uma pessoa é garantia de saúde e não o contrário”

Fonte: Revista Super Interessante

Veja este vídeo sobre o uso abusivo de remédios, muito bom: 


Alguns post anteriores sobre esse assunto:




Technorati Marcas: ,

2 comentários:

  1. Parabéns ao casal pela contribuição aos ligados no Blog. É lamentável o quanto nos medicamos (automedicação) e muitas vezes somos medicados sem critérios adequados. Os números são interessantes (Fonte: Super Interessante), o que comprova a falta de prioridade da sociedade para com sua saúde. Aqui a sociedade deve fazer meia-culpa. Por um lado a Indústria, Distribuição e Comercio não tem medicamentos como um bem de saúde e sim de consumo, os próprios órgãos reguladores tratam os medicamentos desta forma.Uma sociedade que não ler, não escuta, não visualiza os inúmeros sinais de alerta graça a sua ignorância, são presas fáceis do sistema capitalista, é normal.
    Só com educação doméstica e acadêmica poderemos moralizar o mercado farmacêutico. A corrida pelo sucesso financeiro traz este efeito colateral. As pesquisas que são realizadas sobre o comportamento do consumidor são amostras de prováveis privilegiados, pois são na maioria feitas em grandes centros e em lojas de grande movimento, principalmente de grandes redes. Na periferia e cidades menores a situação é muito diferente. Muitas farmácias se mantêm exclusivamente da troca de prescrição, automedicação e indicação de balconistas (prática ilegal da medicina, entre outros crimes e qualificações agravantes). Sem uma medida contundente por parte do Ministério da Saúde e Ministério Público este quadro não mudará.
    Sou um Executivo de Negócios da Indústria Farmacêutica com muito orgulho, originário de um balcão de farmácia de uma cidade do interior nordestino no início dos anos 80 e desde então convivo com estes abusos. Não se trata de certo ou errado, de bandido ou mocinho, mas com certeza falta de educação e ordem social. Automedicação é uma agressão a vida e contribuir com esta venda irregular seja ela atendendo sem prescrição/orientação médica ou por indicação de balconista é ser co-participante do ato. Quem incentiva este ato com políticas comerciais sem ética (Indústrias, Distribuidores e Farmácias), tem que sentir o peso da lei. Basta usarmos as que já temos no código penal em vigor. A sociedade já paga com a vida e custos desnecessários.
    É possível alcançar sucesso financeiro com medicamentos sem ferir a ética.

    ResponderExcluir
  2. Téo,
    Agradeço muito sua colaboração no comentário dessa matéria da Super Interessante, realmente você disse tudo, precisamos nos informar sempre, pois mesmo precisando de tantos remédios como é o meu caso, a informação é tudo, só assim conseguimos manter a qualidade de vida, mesmo dependente de alguma medicação.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails